Cartas

22 de dezembro de 2003


Srs. Condôminos, grande notícia;

CONTRATAMOS COM A JOÃO FORTES ENGENHARIA S/A

No dia 18 de dezembro de 2003, a Comissão de Obras assinou com a João Fortes Engenharia S. A., tradicional empresa de construção, um termo aditivo em que ela se compromete a trazer, na Assembléia convocada para o dia 17 de janeiro de 2004, as cartas de crédito do Banco Itaú que a habilitarão a concluir a incorporação dos nossos empreendimentos, nos termos previstos do Instrumento Particular de Compromisso de Negócio Imobiliário assinado com a CMP, homologado na Assembléia de 24 de novembro de 2002.

Assim foi que, no dia 18 de dezembro de 2003, a João Fortes Engenharia S.A., tendo concluído o exame dos aspectos de engenharia e de orçamento das obras, pediu à Comissão Obras, e obteve, indicação formal ao Banco Itaú para sua futura contratação como construtora dos empreendimentos, de modo a poder receber o financiamento previsto para a conclusão das obras, comprometendo-se, em Termo Aditivo ao contrato da CMP, a trazer para Assembléia Geral, já convocada para o dia 17 de janeiro de 2004, as cartas de crédito que consolidam a sua posição como incorporadora delegada, ocasião em que franquearemos a palavra aos representantes da referida instituição bancária, para que possam esclarecer pormenores da operação de crédito, bem como custos e taxas e tudo o mais.

Em decorrência do trabalho da CMP, tendo em vista o conteúdo a nossa última correspondência em que transmitimos o entusiasmo dos operadores de crédito do Banco Itaú em relação ao financiamento das obras, ocorreu que, a Construtora Tarjab (www.tarjab.com.br), que estava mais adiantada no exame dos problemas técnicos e financeiros, foi surpreendentemente ultrapassada pela João Fortes Engenharia S.A. (www.joaofortes.com.br), que há mais de quatro meses também vinha analisando projetos, realizando estudos e testes nas estruturas dos prédios, porém ainda não se havia pronunciado.

Vale lembrar que, por força do modelo de contratação firmado em nossas escrituras e ratificado na última Assembléia, tirando o prejuízo da retomada e recuperação das emprendimentos abandonadas, rateado em cotas condominiais, ninguém pagará nada a mais do que havia sido contratado pela sua unidade, e, por isso, aqueles condôminos quitados aguardam, aflitos, o reinício das obras. O maior contingente, entretanto, é constituído por condôminos que ainda têm saldos devedores e precisam ter conhecimento das alternativas de mercado atualmente postas para seu financiamento, tarefa de que também ficou incumbida a Comissão de Obras, enfrentando para tanto grandes dificuldades.

Acreditamos ser a futura Assembléia do interesse maior da coletividade de condôminos com saldos devedores porque nela poderão ter a oportunidade de conhecer os efeitos da recente redução dos juros bancários, tendência confirmada nos últimos tempos e que tende a continuar em curva descendente ao longo do próximo ano, o que ressalta a importância desta próxima reunião para esse grupo de condôminos, em especial, cujo acompanhamento doravante se fará amiúde.

É assim, providenciando maiores oportunidades para os que têm saldos devedores a pagar, que pretendemos evitar pendengas judiciais e prevenir litígios, no intuito de que todos possam realizar o mesmo negócio entabulado e posteriormente frustrado pela falida Encol.

Sabemos pelo incontável número de telefonemas que todos que companham com atenção o desenrolar dos trabalhos da Comissão de Obras no tocante à retomada da construção, ansiosos pelo final desta longa jornada, em que temos superado inúmeras dificuldades; porém, as mudanças de última hora no rumo das negociações alteraram de tal forma o curso dos acontecimentos que a Comissão Obras foi obrigada a solicitar ao Conselho Consultivo que adiasse a realização da Assembléia Geral Ordinária anual, inicialmente convocada para o dia 20 de dezembro de 2003, conforme edital publicado, para o dia 17 de Janeiro de 2004, de forma que, dispondo deste intervalo de tempo, possamos alinhar, finalmente, as propostas de pagamento dos saldos devedores feitas pelos condôminos à CMP diante das alternativas de financiamento decorrentes das cartas de crédito bancárias emitidas para conclusão dos empreendimentos.

A convocação da Assembléia, que segue em anexo, prevê a conclusão do trabalho da CMP; a prestação de contas da Comissão de Obras e a unificação dos condomínios dos prédios que formam o Villa Borghese, o San Marco e o San Michel.

Desta forma e com mais um ano coroado de êxitos a Comissão de Obras deseja a todos os condôminos um FELIZ NATAL e um ANO NOVO com muitas REALIZAÇÕES.

Pela Comissão de Obras

Antonio Sampaio Netto
Antonio Braga Coscarelli
Lais Marque da Silva
Ulisses Duarte da Costa Monteiro